Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de março de 2019.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Patrimônio

14/03/2019 - 21h06min. Alterada em 14/03 às 21h50min

Aniversário de Porto Alegre não terá projeto-piloto do Cais Mauá

Consórcio responsável por estruturas provisórias não cumpriu prazos, informou prefeito da Capital

Consórcio responsável por estruturas provisórias não cumpriu prazos, informou prefeito da Capital


CLAITON DORNELLES /JC
Matheus Closs
Um dos presentes aguardados para o aniversário de 247 anos de Porto Alegre não será entregue até o dia 26 de março. Considerado um projeto-piloto das obras de revitalização do Cais Mauá, o espaço provisório próximo à Usina do Gasômetro, que daria lugar a um estacionamento com 600 vagas e a estruturas de comércio e gastronomia, não ficará pronto no prazo estipulado pela prefeitura, confirmou o prefeito da Capital, Nelson Marchezan Júnior (PSDB), ao Jornal do Comércio, nesta quinta-feira (14), durante o  lançamento da programação da Semana de Porto Alegre.
Também não há prazo para a execução das instalações consideradas temporárias. "O empreendedor (consórcio Cais Mauá do Brasil) nos apresentou um cronograma, falou que ia fazer a entrega na semana de Porto Alegre, mas não conseguiu cumprir", alegou o prefeito. "Ele (consórcio) já tem as licenças para fazer as ações. Os empreendimentos são temporários até fazer os grandes investimentos", destacou Marchezan, citando que ainda não há novos prazos. "Assim que o consórcio apresentar, vamos divulgar." 
Em fevereiro, o prefeito disse em evento na Associação Comercial de Porto Alegre que a área provisória seria um "aperitivo" do que esperar da revitalização do Cais Mauá. O executivo acreditava ser viável, pois o projeto não exigiria obras no Armazém 7, onde seriam colocados contêineres para o funcionamento de serviços de comércio e gastronomia. O projeto provisório ocuparia o local por até quatro anos, quando a restauração dos armazéns, a maior parte tombada pelo patrimônio histórico, ficaria pronto.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia