Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de outubro de 2018.
Dia Mundial dos Correios.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

09/10/2018 - 08h06min. Alterada em 09/10 às 08h06min

Bolsas da Ásia fecham sem sinal único, com recuperação modesta em Xangai

Estadão Conteúdo
As bolsas asiáticas fecharam sem sinal único nesta terça-feira (9). Xangai teve alta, mas com ganho tímido após a queda forte da sessão anterior, enquanto a Bolsa de Tóquio registrou a quarta baixa consecutiva. Na Coreia do Sul, um feriado local manteve os mercados fechados.
Mais cedo, o Fundo Monetário Internacional (FMI) revisou para baixo suas projeções para o crescimento global, o que contribuiu para certa cautela. O FMI citou o crescente protecionismo e a instabilidade em mercados emergentes como fatores. Além disso, hoje o yuan operou em baixa, porém o governo da China reiterou que não pretende usar a moeda como arma na disputa comercial com os Estados Unidos. O Danske Bank diz que alguns mercados asiáticos acompanharam a fraqueza de ontem nos papéis tecnológicos das bolsas de Nova Iorque.
O banco dinamarquês diz que pesou o momento negativo das relações diplomáticas entre China e Estados Unidos, após uma visita a Pequim do secretário de Estado americano, Mike Pompeo, que ouviu críticas de autoridades chinesas pela postura comercial dos EUA. Além disso, foi monitorado um relato segundo o qual os EUA poderiam na próxima semana apontar a China como manipulador cambial.
Na China, a Bolsa de Xangai fechou com ganho de 0,17%, em 2.721,01 pontos, enquanto a de Shenzhen, de menor abrangência, teve baixa de 0,09%, a 1.448,03 pontos. Nessa segunda-feira, Xangai havia recuado 3,72%. Hoje, ações do setor de energia se saíram bem, porém as dos setores aeroespacial e de tecnologia estiveram sob pressão.
Em Hong Kong, o índice Hang Seng caiu 0,11%, a 26.172,91 pontos, oscilando perto da estabilidade durante o pregão, mas atingindo nova mínima de fechamento em 15 meses. Tencent teve baixa de 1,7% e foi decisiva para o Hang Seng terminar em território negativo. AIA caiu 0,9%, em seu sexto recuo seguido.
Na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei fechou em queda de 1,32%, a 23.469,39 pontos, após a praça local ficar fechada na segunda-feira por causa de um feriado no Japão. O Nikkei absorveu hoje a fraqueza regional e registrou a quarta queda seguida, com o setor de eletrônicos apresentando resultado ruim. Sharp teve baixa de 5,2%, pressionada pela valorização do iene desde a sexta-feira.
Em Taiwan, o índice Taiex fechou em alta de 0,10%, em 10.466,83 pontos, após tocar no dia anterior mínima em oito meses e interrompendo uma sequência de cinco quedas consecutivas. Entre as ações em foco, Largan subiu 2,3%.
Na Oceania, o índice S&P/ASX 200 fechou em queda de 0,97%, em 6.041,10 pontos, mínima de fechamento desde meados de junho, na Bolsa de Sydney. Ações do setor de saúde tiveram baixa de 4% na Austrália e papéis ligados ao consumo também recuaram.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia